Renda variável: Entenda os principais ativos e suas características

Publicado por Bússola Do Conhecimento em

Compartilhe com amigos

Você sabe o que é renda variável? Você pode ter ouvido este termo. E você deve saber que são ativos arriscados, como ações de empresas. E é negociada na Bolsa de Valores Brasileira B3.

Mas você conhece todos os ativos pertencentes ao grupo? Bem, neste artigo, vou explicar:

O que é renda variável

Quais são os principais ativos existentes

Qual é o risco do investidor

A principal diferença entre renda variável e renda fixa

Você está interessado nesse tópico?

Em seguida, continue lendo, porque vou explicar os pontos mais importantes desta classe de ativos.

O que é renda variável

A renda variável é uma classe de ativos para a qual não é possível determinar o retorno do investimento no momento da aplicação. Portanto, é exatamente o oposto de uma renda fixa.

Porque no caso de uma renda fixa você saberá exatamente quanto o seu dinheiro vai render durante todo o período de inscrição. Quando você investe em ativos de renda variável, não há como saber se você ganhará dinheiro, perderá ou acertará de zero a zero.

Por esse motivo, a maioria dos investidores considera os ativos dessa classe como de alto risco. Também não significa que você não deva investir nesses ativos. Porque o risco não é necessariamente uma coisa ruim.

Com uma renda variável, você corre o risco de perder dinheiro da mesma forma que corre o risco de ganhar muito dinheiro.

Só é necessário gerenciar o risco de forma que ele esteja sempre sob controle.

Posteriormente neste artigo, discutirei os riscos aos quais um investidor está exposto ao usar essa classe de ativos.

Quais são os principais ativos com renda variável

Os ativos de renda variável não são divididos em classes ou categorias, como renda fixa, que são divididos em:

Prefixados
Pós-fixados
Híbridos

No caso da renda variável, parece que os ativos estão “soltos” ali. No entanto, cada um tem suas peculiaridades. Agora vamos conhecer as principais vantagens.

Ações

As ações são os produtos de renda variável mais famosos e, sem dúvida, os mais conhecidos pelos investidores. São títulos que fazem parte do capital social da empresa.

Eles dão ao proprietário o direito de participar dos resultados da organização.

Quando adquirimos ações de uma empresa, é como se nos tornássemos seus sócios. E o preço da ação está diretamente relacionado ao desempenho da empresa.

ETFs (Exchange Traded Funds)

ETFs são fundos de índice cujas ações estão listadas na bolsa de valores. Mas antes de explicar melhor esse recurso, deixe-me explicar o que é o Índice Bovespa.

Várias empresas têm ações listadas na Bolsa de Valores brasileira. Os preços dessas ações são alterados diariamente. Alguns sobem e outros caem. O índice Bovespa nada mais é do que o desempenho médio de todas as ações listadas em bolsa.

Portanto, se esse índice está subindo, significa que a maior parte das ações está subindo. ETFs são como “pacotes” com várias atividades dentro. Eles tentam obter resultados semelhantes aos resultados de um determinado índice de mercado.

Normalmente é o índice Bovespa. Portanto, seu portfólio duplica a composição desse índice. Os ETFs são negociados na bolsa de valores da mesma forma que as ações.

Para participar de ETFs, basta abrir uma conta em uma corretora. Digite o código ETF de sua escolha na bolsa de valores e faça uma compra.

Fundos de investimento

Os fundos mútuos podem ser comparados a um condomínio. Cada investidor é um “morador” desse condomínio e possui parte dele.

O patrimônio líquido do fundo é calculado diariamente, ou seja, o preço de mercado de seus títulos menos os custos. Com base nesse capital, calcula-se o valor do montante.

Esta classe de ativos pode ser dividida de acordo com certas especificações no mercado de ações. Portanto, vamos prosseguir com suas consequências.

Fundos de Cambiais

São aqueles que investem em títulos vinculados a moedas estrangeiras. Eles são aconselháveis ​​para proteger os ativos do investidor contra flutuações em moedas fortes, como o euro e o dólar.

Isso significa que eles variam dependendo do nível alto ou baixo dessas moedas.

Fundos Multimercado

Esses fundos podem consistir essencialmente em qualquer tipo de ativo. Podem investir, em títulos indexados a moedas estrangeiras, em ações, títulos de renda fixa.

São uma boa opção para quem deseja diversificar sua carteira de ativos. Porque costumam ter maior lucratividade do que renda fixa e, ao mesmo tempo, menos risco do que ações.

Fundos de Ações

Acho que o nome já deixa claro em que esses ativos estão investindo, certo? Esses fundos investem em ações de empresas. São os mais arriscados porque não há garantia de retorno dos fundos investidos.

Você pode se perguntar qual é a diferença entre patrimônio líquido e ETFs. Os ETFs normalmente consistem em mais ativos, ou seja, possuem uma gama mais ampla de ações em seu “pacote”.

Porque o objetivo de um ETF é rastrear um índice específico. Os fundos de ações tentam superar essas taxas. Portanto, é normal escolher menos ações com mais cuidado.

As taxas de aplicação e valores mínimos também variam muito. Para investir em ETFs, você só precisa de um valor para começar a investir, que pode começar em R$ 60.

Em vez disso, existem fundos com aplicação mínima de R$ 20 mil.

Fundos de investimento imobiliário (FII)

Entre os bens de capital, gosto particularmente de fundos imobiliários. Na minha opinião, essa é a melhor forma de investir no mercado imobiliário.

A maioria das pessoas acredita que a única maneira de investir em um imóvel é comprá-lo para alugar ou vendê-lo alguns anos depois por um preço mais alto.

No entanto, este formulário requer uma grande quantidade de capital inicial, ou seja, um financiamento que você pagará por anos. Os fundos imobiliários são constituídos por vários investidores que compram em conjunto uma ou mais propriedades.

O fundo, portanto, é dono do imóvel, recebe o aluguel dos inquilinos e o repassa aos acionistas. Os valores são negociados em bolsa e os valores podem ser encontrados em valores inferiores a R$ 100.

O aluguel é pago aos cotistas mensalmente e passou a ser isento de imposto de renda.

Mercado do Futuro

Um contrato de futuros é um acordo entre um comprador e um vendedor no qual o vendedor se compromete a comprar um ativo específico a um preço predeterminado em uma data específica no futuro.

Em teoria, qualquer pessoa pode fazer uma compra futura. Por exemplo, se eu concordar em vender um apartamento a alguém pelo preço acordado hoje, eles vão entregá-lo em 2 anos.

Do ponto de vista técnico, este seria um contrato futuro. No entanto, falando de contratos futuros no contexto do mercado financeiro. Estamos falando de ativos que necessariamente são negociados em bolsa.

No Brasil, o mercado futuro geralmente é negociado em commodities (falaremos disso no próximo tópico), moedas e índices de ações.

Commodities

As commodities são outro ativo na classe de renda variável. Mercadorias é o termo em inglês para mercadorias. Utilizado como referência para matérias-primas (matérias-primas) ou produtos pouco industrializados.

O que torna esses produtos muito importantes para a economia é que, embora sejam matérias-primas primárias, podem ser comercializados em todo o mundo.

Veja exemplos de alguns tipos de produtos.

Mineral – Por exemplo: ouro, petróleo, minério de ferro, prata etc.

Agrícola – Por exemplo: soja, trigo, algodão, borracha etc.

Financeiras – Por exemplo: euro, dólar, real etc.

Ambientais – Por exemplo: água, energia, madeira etc.

É por isso que você pode investir em ouro, se estiver se perguntando. Você só precisa criar uma conta com um corretor de valores.

Câmbio

O mercado de câmbio estrangeiro é um mercado financeiro global descentralizado e focado no comércio de moedas. Centros financeiros em todo o mundo servem como âncoras de negociação entre diferentes compradores e vendedores.

Chamado de mercado Forex (Foreign Exchange Market), é considerado o maior mercado do mundo, com um movimento diário de mais de US$ 5 trilhões.

Funciona 24 horas por dia, exceto nos finais de semana. Grandes membros do mercado, como empresas, bancos centrais em alguns países, empresas de gestão de investimentos estão envolvidos na negociação Forex.

Então, nesse mercado, você simplesmente coloca seu dinheiro e aposta na valorização ou desvalorização de uma moeda contra outra. Assim, você ganha (ou perde) dinheiro em cima disso.

Quais são os riscos de investir em renda variável?

Como acontece com qualquer ativo negociável, investir em renda variável tem seus prós e contras.

Portanto, existem alguns pontos que você deve saber antes de investir dinheiro em ativos dessa classe.

Crie sua Reserva de Emergência

Como você sabe, renda variável é um mercado de alto risco. Assim, antes de começar a investir em ações ou outros ativos desse mercado. É recomendável que você já crie uma reserva de emergência.

A reserva de emergência nada mais é do que dinheiro que você precisa ter em uma aplicação segura e altamente fluida. Isso significa que você pode resgatar a qualquer momento.

Idealmente, você deve ter cerca de 6 a 12 meses de custos mensais na reserva de emergência.

Recomenda-se a realização de investimentos em renda fixa para constituição de reserva. Como a liquidez diária do CDB ou do Tesouro Selic.

Diversifique a Sua Carteira

Este ponto é importante ao investir em qualquer classe de ativos. Mas é fundamental para a renda variável. Primeiro, você precisa definir qual porcentagem de seu capital irá para renda variável.

Isso pode ser feito por meio de um planejamento financeiro bem preparado. Depois de definido, você pode começar a investir seu dinheiro em alguns ativos.

No entanto, a diversificação da carteira é necessária para evitar alguns riscos.

Risco sistêmico e risco não sistêmico

Existem basicamente dois tipos de risco aos quais um investidor está exposto. O risco sistêmico é aquele que tem um impacto geral na economia.

Por exemplo, um colapso do sistema financeiro ou grandes flutuações nas taxas de juros. Nesse caso, nós, investidores, temos pouco a fazer para evitá-lo.

No entanto, o risco não relacionado ao sistema pode ser evitado e é nossa responsabilidade preveni-lo. O risco não sistêmico é aquele que afeta apenas algumas empresas ou um setor específico da economia.

Por exemplo, se houver uma crise bancária e você tiver apenas ações de bancos em sua carteira.

Você estará exposto a severa desvalorização de seus ativos. Por isso, é muito importante diversificar seu portfólio. Para evitar risco não sistêmico.

Renda Variável versus Renda Fixa

A tabela a seguir resume as principais características dos ativos de renda variável e renda fixa.

Conclusões

Chegamos ao final deste artigo, onde cobri os principais pontos do mercado de ações para uma visão geral. No entanto, se você leu tudo e chegou até aqui.

Você pode estar se perguntando: “Mas devo ainda investir em capital?” Acho que sim”. Acho que todos deveriam investir em renda variável.

O que vai variar de pessoa para pessoa é o percentual do capital que será investido de acordo com o perfil do investidor. Eu penso assim pelo seguinte motivo:

Existe a possibilidade de perder dinheiro neste mercado. Porém, o máximo que você pode perder é o valor aplicado. Por outro lado, não há limite de quanto você pode ganhar.

Por exemplo, se você investir R$ 1.000 em ações de uma empresa e ela der errado, o prejuízo máximo é de R$ 1.000

Porém, se você fizer um bom investimento, R$ 1.000 podem se multiplicar várias vezes depois de alguns anos.

Espero que este artigo tenha deixado claro como funciona o mercado de renda volátil e quais ativos podem ser investidos.

Comente abaixo o que você pensa sobre o artigo e fique à vontade para fazer qualquer pergunta se tiver alguma dúvida.


Compartilhe com amigos
Categorias: Investimentos

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *